Historia Clássica da Capoeira


Império  Português – Brasil O Brasil a partir do século XVI foi palco de uma das maiores violências contra um povo. No período da colonização do Brasil pelos portugueses inicia-se o tráfico de escravos para a América. Mais de dois milhões de negros foram trazidos da África, pelos colonizadores portugueses, para se tornarem escravos nas lavouras da cana-de-açúcar e em outros serviços braçais. O sistema escravista condicionava os negros a relegar sua cultura a segundo plano devido a repressão de seus senhores e das instituições de poder (político e religioso) da época, que o considerava um animal de trabalho e sem alma. Tribos inteiras foram subjugadas e obrigadas a cruzar o oceano como animais em grandes galeotas chamadas de navios negreiros. Pernambuco, Bahia e Rio de Janeiro foram os portos finais da maior parte desse tráfico. Ao contrário do que muitos pensam os negros não aceitavam pacificamente o cativeiro; a história brasileira está cheia de episódios onde os escravos se rebelaram contra a humilhante situação em que se encontravam. Uma das formas dessa resistência foi quilombo, comunidades organizadas pelos negros fugitivos, em locais de difícil acesso. Geralmente em pontos altos das matas. O maior desses quilombos estabeleceu-se em Pernambuco no século XVII, numa região conhecida como Palmares. Uma espécie de Estado africano foi formada.

É de aceitação geral a hipótese do jogo de agilidade corporal ter sido o instrumento utilizado pelos escravos fugitivos na defesa contra seus perseguidores, representados pela figura do capitão - do - mato. E era no mato que se tratava a luta decisiva. Pois foi desse tipo de mato -a capoeira - onde os negros buscavam refúgio e oferecia resistência dos perseguidores, que surgiu também a polêmica que por longo tempo consumiu em debates intermináveis de inúmeros intelectuais. Uma das teorias quanto á origem da expressão capoeira estabelece a língua tupi como aquela de onde procederia a vernaculização:

Caá-puêra( caá = mato; puêra que já foi) resultaria nos brasileirismos capuíra, capoêra e capoeira. Outros estudiosos afirmam que a acepção designa um tipo especial de cesto, usado no transporte de galinhas, que era conduzida por escravos aos mercados. A estes escravos teria se estendido o emprego da denominação primeiramente aplicado as gaiolas. Segundo os defensores dessa hipótese, enquanto aguardavam a chegada dos comerciantes, os escravos se divertiam na prática da brincadeira que também seria abrangido pelo nome capoeira.

Distribuindo em pequenas povoações chamadas mocambos e com uma hierarquia onde no ápice encontrava-se o rei Ganga-Zumbi, Palmares pode ter sido o berço das primeiras manifestações da Capoeira. Desenvolvida para ser uma defesa, a Capoeira foi sendo ensinada aos negros ainda cativos, por aqueles que eram capturados e voltavam aos engenhos. Para não levantar suspeitas, os movimentos da luta foram sendo adaptados às cantorias e músicas africanas para que parecessem uma dança.

Capoeira antigaAssim, como no Candomblé, cercada de segredos, a Capoeira ganhou a malícia dos escravos de "ganho" e dos freqüentadores da zona portuária. Na Cidade de Salvador, capoeiristas organizados em bandos provocavam arruaças nas festas populares e reforçavam o caráter marginal da luta. Durante décadas a Capoeira foi proibida no Brasil. A liberação da sua prática deu-se apenas na década de 30, quando uma variação da Capoeira (mais para o esporte do que manifestação cultural) foi apresentada ao então presidente Getúlio Vargas.

Porém, esta situação desumana a que foi submetido o negro, não foi suficiente para suplantar sua condição de ser humano com corpo e alma, marcados pelo sentimento de liberdade e não submissão. A capoeira nasce neste período, baseado em costumes e tradições africanas como a musicalidade, instrumentos musicais de percussão, movimentos físicos de ginga, golpes ofensivos e defensivos, cantos, palmas, desenvolvendo elementos de luta, diversão e preservação do legado cultural dos negros.

Mestre BimbaNos seus 500 anos de história a capoeira e o capoeirista foram perseguidos, considerados marginais e vigiados de perto pela polícia. Atualmente a capoeira não mais representa a imagem negativa de tempos passados graça ao criador do primeiro Método de Ensino de Capoeira idealizado por Manuel dos Reis Machado- Mestre Bimba (1900 - 1974). Outro passo importante na institucionalização da capoeira como esporte e arte marcial foi sua inclusão nas escolas e universidades. Muitos cursos de Educação Física em todo país tem a capoeira como matéria curricular, o que faz com que os professores nelas formados, tenham noção das possibilidades desta luta no tocante ao desenvolvimento maior da preparação física. Nessa trajetória é importante destacar que, de 1985 a 1990 a capoeira passou a fazer parte dos jogos Escolares Brasileiros JEB`S, a mais importante competição esportiva do gênero no Brasil.

A capoeira tem provado sua importância e seu peso histórico na cultura brasileira, uma vez que foi reconhecida na Constituição Federal de 1988 como sendo um esporte/ luta que possui intersecções importantes com raízes históricas, sociais, filosóficas, políticas e culturais do povo brasileiro e integra, por tais motivos, o Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil. Sua prática tem se propagado pelo mundo em países como Estados Unidos, Canadá, Japão, Portugal, França, Alemanha, e tantos outros. Seu mais recente e maior reconhecimento ocorreu por parte do Comitê Olímpico Brasileiro e o Comitê Olímpico Internacional. É a única modalidade esportiva musical do planeta. Talvez por isso seja tão persuasiva. Haja vista que a musicalidade é uma manifestação natural do ser humano.

Capoeira Ginástica BrasileiraPortanto é de fácil assimilação, o que possibilita a conquista de tantos adeptos no mundo inteiro, aumentando a cada instante sua legião de admiradores e praticantes. Não há nada que tenha mais a cara deste país do que a capoeira. Ela é a pura ginástica brasileira, estruturada na história escravista, escrita com sangue e suor, e promovida como arte marcial, esporte, desporto e luta.

Podemos encontrar em uma roda de capoeira, além do berimbau, pandeiro e atabaque e, menos comumente, o agogô e o ganzá. Atualmente não se concebe uma roda de capoeira sem o toque característico do berimbau, podendo, no entanto, os demais instrumentos serem dispensados, afirma Menezes (197 p.14-5). O berimbau dita o ritmo do jogo, é ele que comanda o toque a ser executado. A capoeira apresenta diversos toques que são executados de acordo com a ocasião.

Continue conhecendo suas linguagens toques e tendências.